Muito bom te ver aqui

17 de fevereiro de 2011

SALA DE BATE PAPO (PARTE IV) FINAL



PRESENTES DO AMIGO PHIVOS NICOLAIDES


Para fechar essas postagens ( I, II, III) sobre o perigo na internet, resolvi encerrar com chave de ouro, fazendo uma entrevista com a amiga Geisa do Blog ‘‘ A força e a Beleza de Ser Mulher”, para quem não conhece Geisa é Psicanalista clínica com experiência em Dinâmicas de grupo, Jogos Dramáticos, Relaxamentos e Palestras. Atuando também na área da Educação.
Quero agradecer a Geisa o carinho à delicadeza e o tempo dedicado a essa entrevista, que tem a única finalidade de orientar e ajudar sobre os perigos da Net.
Geisa muito obrigada! Você e uma amiga fiel, uma profissional fantástica, uma mulher maravilhosa.  


P                                                      



Se você tiver alguma duvida pode deixar sua pergunta no comentário  
Para um assunto particular com a Geisa: geisamiris@yahoo.com.br
Para conhecer seu blog: A força e a beleza de Ser Mulher

1 – Geisa, apesar dos avisos sobre as salas de bate papo, por que as pessoas acabam entrando e se viciando?
Não dá pra afirmar que seja por um único motivo. Cada caso é um caso, porém posso salientar que um grande motivo, para alguém entrar numa sala de bate papo, é a curiosidade. As pessoas que têm muita curiosidade acabam não resistindo. Acrescente à timidez, a solidão, a dificuldade de enfrentar a realidade e o perigo (que isso pode representar, através dos alertas).
Para alguns o vicio vem com o tempo, por causa da satisfação (e do prazer) que a pessoa sente e a dependência criada com a sala. Para outros, que já são viciados no perigo, eles entram justamente pelo risco que estão correndo.
2 – Por que o mundo virtual é tão interessante para algumas pessoas?
O computador já está fazendo parte do nosso dia a dia, assim como a TV, a geladeira, o telefone... As pessoas estão organizando as suas vidas com ele e através dele. Elas se distraem, trabalham, buscam informações, ou seja, existe uma dependência sadia porque o computador traz muitas facilidades, diminui esforços, aplaca saudades (pode-se conversar com um ente querido que esteja distante) e vários outros benefícios.
O problema está quando ele é o único recurso existente. Alguns fatores que mais sobressaem são:
- timidez: muitas pessoas só conseguem se relacionar permanecendo incógnitas ou através de uma telinha.
- solidão: a gente percebe que cada vez mais as pessoas estão se isolando e se enclausurando. Existem aqueles que a solidão já está presente na própria vida (falta de amigos, falta de família, o cônjuge que não conversa...). Ao invés de procurar uma ajuda profissional para solucionar a questão, vão se refugiar no mundo virtual.
- dificuldade de enfrentar a realidade: por não conseguir enfrentar problemas ocasionados no dia a dia, algumas pessoas fogem para um mundo virtual (onde tudo é possível e se tem acesso a tudo), porém não percebem que lá se depararão com outros problemas.
3 – Por que as pessoas precisam fantasiar, escondendo a aparência, idade e nome?
Todo ser humano, quando criança, vive na fantasia. É neste mundo que ela consegue lidar com os seus medos e angústias e, ao mesmo tempo, se refugiar deles. De certa maneira, a fantasia serve para nos proteger de algumas dores.
- Algumas pessoas escondem a sua identidade porque desejam se comunicar, mas tem medo de se expor (pelos riscos existentes que você já mencionou).
- Outras se escondem pela perversidade, porque tem a intenção deliberada de prejudicar alguém.
- As que, de fato, precisam fantasiar que é outra pessoa, essas têm um grande problema de “não aceitação de si mesmo”.   Só conseguem se sentir aceita se forem outra pessoa que não ela mesma. Essas precisam de uma ajuda terapêutica.
4 - Qual o risco de acabarem de repente com essa fantasia?
  No último caso citado na 3ª pergunta, o risco é muito grande. Todos nós em geral precisamos sentir que pertencemos a um grupo e que somos aceitos. Esta pessoa não consegue sentir isso de outra forma, a não ser fantasiando. Se tirar isso dela de repente, é possível que aconteça um suicídio. Em terapia, o profissional vai fortalecendo o cliente, lhe dando recursos internos para desenvolver a auto-aceitação e poder se relacionar com outras pessoas de forma sadia.
5 - Apesar da imprensa sempre recomendar cuidado com esses sites, com fotos, telefone, webcam, porque elas se arriscam tanto?  Você acha que elas se sentem seguras?
  Como eu coloquei na 1ª pergunta, muitas pessoas gostam de correr riscos. Isso lhes dá adrenalina, lhes fazem sentir vivas.
Outras são masoquistas: buscam o risco para se prejudicarem.
O grande alerta é justamente para aquelas que pensam estarem seguras e protegidas (pelo simples fato de estarem em casa). O mundo virtual tem os mesmos perigos que a vida real. A diferença é que não são perigos físicos, na sua maioria são perigos morais e psíquicos.  O que não impede que ela (ou alguém da família) seja seqüestrada ou que sofra extorsões. Resumindo: é totalmente ilusório acharmos que estamos totalmente seguros em qualquer lugar. Por isso é necessária à precaução em todos os setores da vida. Existe uma frase que deve ser usada para qualquer situação: “eu torço pelo melhor, mas me preparo pelo pior”. Dessa forma você não vai com excesso de confiança e se previne dos possíveis perigos (ou riscos) que possam acontecer.

6 – Geisa, por que as paixões virtuais parecem ser mais fortes? Algumas chegam a terminar casamento, cometem loucuras, até se arriscando em nome desta paixão.
  A paixão é forte sempre e em qualquer lugar. No meu blog, tenho um post que fala sobre isso (“Essa tal paixão” – 21/01/2010). Na paixão não vemos o outro como alguém de carne e osso, e sim, vemos a imagem idealizada. Aquela pessoa, pela qual nos apaixonamos, é a pessoa ideal, a perfeita, a que nos vai fazer feliz a vida toda. No mundo virtual é muito mais fácil imaginar e idealizar este ser perfeito, porque, muitas vezes, não tem nem a foto. Não se sabe como a pessoa é nem fisicamente. Por isso parece mais forte e por isso é mais perigoso. Corre-se o risco de se envolver com esta imagem (que não é real) e se identificar de tal forma a ponto de haver uma despersonalização e, possivelmente, um surto psicótico.
7 – Por que as pessoas sentem necessidade de algum tipo de compromisso inventando assim o namoro virtual?
  No mundo real as pessoas sentem necessidade de relacionar-se, acaba acontecendo o envolvimento e vem o namoro. Também sentem a necessidade de constituir família e por isso se aproximam. Tudo isso é transportado para o virtual. Nós somos a mesma pessoa nos dois mundos. Os anseios, as necessidades, os medos, não dá para separá-los e vivê-los em só um deles. O mundo virtual acaba sendo igual ao real.
 8 – Por que algumas pessoas só querem fazer sexo virtual? É normal?
  Alguns fetiches são mais fáceis de serem realizados no virtual, por causa da inibição.
Por outro lado, as pessoas se sentem seguras, porque se satisfazem sexualmente e não contraem doenças venéreas (ou até mesmo a AIDS).
Há também a vergonha do próprio corpo (entrando na não aceitação de si)
Agora, a meu ver, é claro que aqueles que só querem fazer sexo virtual estão com algum problema. Provavelmente evitam, a qualquer custo, o contato físico e a troca de fluidos. Então, é a hora de se perguntarem por que existe este medo/receio? Por que o contato com outro ser humano é tão assustador?
9 - Como descobrir que estou viciado e como sair desse vicio?
  É muito difícil o viciado admitir que tenha o vício. Entenda como vício a compulsão pelo computador e não conseguir viver afastado dele, não conseguir fazer outra coisa por muito tempo, voltando correndo para o PC. Enfim, não conseguir parar de usá-lo. Se você que está lendo o que acabei de dizer e pensar: “Eu paro a hora que quiser”, pode ter certeza que está viciado. Esta é uma frase clássica dita por quem não consegue admitir o próprio vício.
É também importante observar quantas horas fica no computador, porque quando estamos muito envolvidos em alguma tarefa, não percebemos o tempo passar (salvo aqueles que trabalham com informática). Se a sua vida gira em torno de uma telinha, é sinal que você está deixando de lado outros setores essenciais.
Estudos comprovam que algumas pessoas estão sofrendo de uma síndrome em relação ao computador. Verifica-se isso porque estão sofrendo de sintomas de abstinência iguais ao de, por exemplo, um drogado quando deixa de consumir drogas.
É preciso muito controle sobre si mesmo e muita força de vontade para se sair de um vício, sendo   imprescindível procurar novos afazeres que tragam satisfação e prazer (momentos com a família, passear no parque, ir ao cinema...). Caso isso seja  impossível de se conseguir, torna-se necessário procurar uma ajuda  terapêutica.
A tecnologia é sempre muito bem vinda, porém se por causa dela nos tornarmos cada vez mais robóticos... é aí que mora o perigo!

                                                         


PS- Aguardem novas entrevistas, supresa!!! 












Ajude : ALERTA DAS ABELHAS - AJA AGORA! http://corderosachoque22.blogspot.com/2011/01/silenciosamente-ao-redor-do-mundo.html

28 comentários:

Clecilene disse...

SHOWWWWWWWWWW!!!!!!!!

Amo as duas, mas não sou suspeita para falar rsrsrsrsrs pois sei e reconheço a qualidade das duas... MARAAAAAAAAAAA.
Beijos meninas.

Everson Russo disse...

Um maravilhoso final de semana pra ti querida amiga,,,muita paz e muita poesia...beijos e beijos.

Misturação - Ana Karla disse...

Bom dia Lídia!
Muito boa essa entrevista.
Indicarei para outras pessoas, pois Geisa tocou em pontos importantes que todos devem saber.
Xeros

orvalho do ceu disse...

OLÁ,QUERIDA LÍDIA
Li tudinho da sua matéria e achei cada parte muito enriquecedora pra TODOS, sem exceção!!! Um grande alerta pra quem é abusado na confiança alheia... e nao faltam cafajestes por aí tanto mulheres como homens... precismos estar atentos,como vc bem nos explica...
Infelizmente a maldade humana chega a tal ponto que até dentro de casa corremos risco enorme...
Passo também pra deixar um convite pra VC..
Entre na roda com a gente!!!
Bjs de paz e excelente fim de semana.

Ricardo Calmon disse...

MININA LÍDIA,CAMÕES INCORPORASTE, AMALGAMADA INCORPORAÇÃO ESSA,COM PESSOA,O FERNANDO,EM RECUPERAR DE PERNITAS MINHAS,TE DIGO,MAS RÁPIDO CURARARÁ, COM ENERGIA ESSA GIRASSOLICA QUE IRRADIAS A TODOS NÓS!

AMUTE MININA ESCRIBA,PESSOA TRANSLÚCIDA!

VIVA LA VIE

Everson Russo disse...

Um excelente domingo e uma semana cheia de carinho e paz pra ti querida amiga...beijos.

José disse...

Olá Lidia!
Estive hoje no blog do Lufe,e lá estava ele sempre com o seu bom humor, tudo o que seja para rir eu também gosto.
Tive a tentar seguir o seu blog, mas tive a ver já era seu seguidor,
e você também minha seguidora,mas temos ando desencontrados.
Obrigada pela visita.
Tenha o resto de bom domingo,
um beijinho,
José.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Lídia, minha amiga, já coloquei
no intemporal o link do sinfonia
e sol. Desculpe, mas "sou muito
inexperiente ainda".
Beijinhos

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Essa entrevista abre os olhos daqueles que só querem viver nesse mundo.

Beijo, Lídia.

Rebeca

-

Elaine Barnes disse...

Parabéns pela abordagem tão completa do assunto amiga.Sempre tão preocupada com o ser humano. Convidar a geisa para responder psicologicamente sobe o tema, realmente fechou com chave de ouro. Tudo que é demais é dado como desequilíbrio, descontrole e problema.O assunto nos faz refletir sobre o nosso comportamento dentro da realidade virtual,se não estamos passando do ponto. Só posso elogiar essas duas amigas que se completaram aqui para enriquecer e acrescentar muito na vida de todos nós. MOntão de bjs e abraços

Pérola disse...

Maravilhosa entrevista.
A Geisa é tudo de bom e fala de uma forma bastante objetiva.
Parabéns para as duas.
Saudades de vc minha flor.
Beijokas.

Chica disse...

Uma entrevista onde Geysa esclareceu e tocou em pontos tri importantes e tantas vezes descuidados pelas pessoas! Um beijo às duas, tudo de bom e lindo dia!chica

Sueli disse...

Que surpresa gostosa chegar aqui e me deparar com essa entrevista, com uma amiga tão amada como a Geisa! Não é por ser minha amiga, não, mas parabenizo-a pelas respostas, como sempre, tão consistentes, coerentes e esclarecedoras, num assunto tão atual. Parabéns, Geisa! Parabéns, Lídia! Beijos!

MARCOS DHOTTA disse...

Estou adorando essa sala de bate-papo. Como sempre inovando! Muito bom esse seu viés da interatividade, uma vez que é muito bom conhecer pessoas assim, fortes e militantes dos direitos da mulher, como a Geisa. Prabéns caríssima.

Vinicius.C disse...

Olá!!

Passando para desejar uma ótima tarde!!

Beijo grande, nos encontramos no Alma.

Vinicius.

Carla Farinazzi disse...

Oi Lídia,

Realmente encerrou a série com chave de ouro, seus posts foram todos excelentes e importantíssimos. Gostei demais do assunto e de como você o abordou. Parabéns! E parabéns à Geisa também, pelos esclarecimentos.

Um beijo

Carla

Olívia Barros disse...

Vou colocar a leitura em dia por aqui...estou muito envolvida com o tema. Quem tem filhos pequenos deve entender o máximo possível sobre o mundo virtual. Obrigada pela visita. Um beijo grande.

Everson Russo disse...

Um dia maravilhoso pra ti minha querida,,,cheio de sorrisos e muita poesia...beijos mil.

Cucchiaio pieno disse...

Cara Lídia
Fui lendo a entrevista e lembrando-me de muitos exemplos sobre usar o cp por solidão e timidez (como é o caso de um jovem primo meu que foi morar sozinho em uma cidade grande e quando seu pai descobriu, ele nao frequentava a universidade e nao saia de casa ha' 4 meses, so' ficava no computador) e paixões virtuais (pois uma amiga minha separou-se do marido, pois ele viciou em relacionamentos intimos virtuais)!
Aqui na Itália é muito difuso as pessoas arrumarem namorados pela internet, acho muito estranho, pois ninguém tem medo de quem esta' do outro lado.
Quando ao vicio, tenho pensado muito nisso, pois acho que o blog cria dependência! Embora quando viajo sinto um grande alivio mental e nao sinto vontade de usar o pc.
Parabéns pela entrevista - excelente!
Um abraço
Léia

ONG ALERTA disse...

Linda entervista, beijo Lisette.

Misturação - Ana Karla disse...

Passando pra desejar um bom dia e agardecer a visita.
Xerosssssssss

Sandra Botelho disse...

ESSA MULHER É UM EXPETÁCULO ...EXPETÁCULOOOOOOOOOOOOO.
gEISINHA QUERIDA AMIGA, CONCORDO COM TUDO QUE VC DISSE, ÈS SABIA E ADORÁVEL.
sOU SUPEITA PRA FALAR NEH?
MAS FALO ASSIM MESMO...HEHEHEH. AMOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Ao toque do Amor disse...

Oi! passando rapidinho pra dizer que voce é destaque no Toque
com carinho - san

Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ ANDRÉIA Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sant'Anna disse...

Oiee..,
Ando meia sumida da net... mas não poderia de deixar de vir aqui te dar um olá.
Adorei a entrevista... pois as pessoas precisa ficar atenta com os perigos do mundo virtual.
Bjks

Pérola disse...

Amada,se vc entrou no meu blog e encontrou uma mensagem te avisando de conteúdos impróprios ñ se espante ele foi denunciado.
Isso ñ tem nada há ver com a minha configuração ou definições,foi maldade mesmo.
Com ajuda de alguns amigos estamos tentando tirar mas ñ conseguimos.
Corro um risco imenso de perde-lo.
Se isso acontecer eu volto para o meu antigo ou...faço outro.
Estou muito magoada mas fiquei sabendo que já aconteceu isso com gente muito boa e até hoje continuam com essa porcaria.
Peço desculpas pelos transtornos.
Eu ñ li a sua postagem,estou meio dispersa e a cabeça ñ tá muito boa.
Fico tentando imaginar quem poderia ter feito isso mas ñ encontro evidências.
Beijos minha linda.

A Designer de Joias disse...

Oi Lidia, vim agradecer e retribuir a sua gentil visita em meu Blog. Vi que vc tem vários Blogs e juro que fiquei impressionada, eu não consigo dar conta de um....risos...
Grande abraço e espero sempre te ver no A DESIGNER DE JOIAS.

Participe do concurso que está sorteando duas Joias....passe lá para saber como funciona.

Daniel Savio disse...

Interessante, principalmente pela parte da segurança no sexo, parece estranho, mas não seria algo que pensaria facilmente...

Fique com Deus, menina Lígia Ferreira.
Um abraço.

Cynthia disse...

Lídia muito legal a entrevista com a Geisa. Acho que ela explicou muito bem o assunto. A Geisa é uma Aquariana fantástica, que está ligada ao Futuro.
Ela fala da necessidade de observarmos em nós tb a quantidade de tempo e como usamos essa ferramenta maravilhosa em nossas vidas.
Devemos conscientizar a nova geração que a Era de Aquário não é só se informatizar, mas é tb a Era Ecológica, a Era da Coletividade. Devemos nos relacionar pensando no próximo e plantarmos e ensinarmos a olhar a Natureza. Abraço Cy